Subject: XSG: Speech to Parliament 29 Sept.

Presidency of the Republic

Office of the President

SPEECH 1 OF H.E.PRESIDENT KAY RALA XANANA GUSMÃO ON THE OCCASION OF THE SOLEMN CEREMONY OF THE FIFTH LEGISLATIVE SESSION OF THE NATIONAL PARLIAMENT

29 SEPTEMBER 2006

NATIONAL PARLIAMENT

1 Check against original in portuguese [see below]

Excellencies

Distinguished Parliamentarians

Ladies and Gentlemen

First of all, I wish to thank His Excellency the Speaker of the National Parliament, for his kindness in inviting me to come here today and to convey a message to all the people.

I must stress that this opening ceremony of the Fifth Legislative Session of the National Parliament comes with a very special meaning. Special because this is the last legislative session within the scope of the parliament which has been defending the interests of the electorate for the last four years. It is also special for me, because this is the last of the legislative opening sessions of this Parliament that I have had the honour to mark my presence, because this is the last year of my mandate.

The situation in the country, particularly in Díli, is one must say, that it has improved substantially, due to the generous intervention of the International Army and Police, who came here to help us reestablish, step by step, tranquility in our country.

Unfortunately, five months later, we still witness a spirit of rejection and repulsion within our communities. After a period of turbulence, where the spiral of violence and destruction generating fear and panic, that we witnessed from the various phases of motivation, which were political as much as of social character, more recently the population in general have enjoyed much more normality in their activities.

There still remains of the climate of insecurity in some suburbs and there still remains of the problem of IDPs, inside the city, refusing to return to their homes, especially at night.

The Government has kick-off its program ‘simu malu’, which contemplates a wide range of facets for the solution of the problem, ranging from political to ethnic, social to humanitarian, economic to legal.

I express my deepest appreciation for the contribution of the International Agencies, the tireless work of the priests and nuns, the missionary spirit of many international NGOs, the dedication of national NGOs and many other agencies. All of them gave their hands on at work, all of them tried to provide support in areas where assistance was needed.

Also due to the generosity of the government and, above all, of the Parliament where a decision was made to award the Presidency with USD 250.000, we are know about to implement a program towards community reintegration, which will complement the efforts of the Government and all other Agencies.

I do hope that with this concerted effort, we can manage to get the IDP’s back to their suburbs, long before the rain falls. We shall continue to maintain contact and coordinate with the Government because this is the only way to serve the population.

I believe we all are aware that the European Commission is also interested in providing support for this process of dialogue. We shall coordinate with this initiative (of the European Parliament) so that we can foresee meetings at the medium level, between politicians, intellectuals, church, civil society and even the university students in their last year of study program.

Beyond that, at a higher level, the institutions of the State, the hierarchy of the Church, the leadership of the political parties will be able to also have the opportunity to debate about our problems, with the support of the Madrid Club.

Let us all take part in this National Reflection on the causes, circumstances and lessons to be drawn from these latest developments that have inflicted the country and caused suffering to the People.

Ladies and Gentlemen

Distinguished Parliamentarians

I will succinctly summarize the question of weapons and disarmament.

Right from the start, the Presidency of the Republic issued a decision relating to the need to immediately control the weapons, thus creating a Weapons Inspection Commission of the F-FDTL and PNTL.

We must commend the readiness and efficiency with which our military institution submitted the documents to the relevant institutions relating to the acquisition of weapons and to the existence, both on paper and in reality, of the armaments in the barracks.

The result of this readiness is that the Inspection Commission was capable of fulfilling its mission within a short period of time.

One fact highlighted in this report is the existence of more than 119 weapons, which were not registered properly, in addition to observing that the lack of a few weapons that were in the possession of military personnel who abandoned their posts in the aftermath of 28 April.

The explanation regarding the non-existence of an adequate registry of those 119 weapons was that 119 weapons were subsequently being handed over by the former guerilla who had possessed them since Aileu.

I would suggest that the Parliamentary Committee in charge of Defense and Security issues conducts an inquiry into this issue, thereby helping the F-FDTL to reconstitute the process of weapons handover, which should include dates and identities of people or groups who (being former guerilla fighters), over time, handed over weapons of the guerilla so that we can know who already has handed them over and who has not.

As none of us were kept informed of this the question is: who can guarantee that the weapons of the former guerilla, which were not handed over in Aileu, are only those that have already been controlled? Who can guarantee that a some good hundreds of weapons hidden somewhere by former guerilla fighters did not enter the F-FDTL in Aileu?

This is a problem for the Organs of Sovereignty of the State to solve and not for the International Forces or for the 1,600 UN Police to solve!

As for the PNTL, the weapons handover process took place much more slowly and only recently was the Inspection Commission able to finish its work, arriving at the conclusion that there are 231 weapons missing, most of which are pistols.

One of the causes for the slowness of the process is due to the fact that the PNTL, contrary to the F-FDTL, is spread throughout all 13 districts of the country. However, it can be said that for those weapons that are still missing there is individual indication about who was the last police agent who legally received the weapon. Today we have yet to conduct a more accurate and thorough investigation on the reasons why a particular officer has not yet handed over the weapon, where the weapon is located or to whom, when and why, a particular officer has transferred the weapons so that it can be collected.

Another issue, distinguished parliamentarians that I would like to present here in the National Parliament is the question of the possible illegal entry of weapons into the country. It is equally crucial that the Parliamentary Committee in charge of defense and security issues can verify the veracity, or lack thereof, of this matter so as to clarify it and avoid any speculations and to ensure a climate of trust amongst the population.

This sentiment of insecurity also derives from the fact that there are still armed civilians.

Much is said about disarmament and today, as if we were free from something, we all seem to be constrained by this reality. Only God knows what we hide in our thoughts.

Instead of questioning the so-called inaptness of the International Forces in collecting weapons, we should be more fair in our interpretations and we should oblige or at least appeal to all those who distributed or were present during the act of distribution to collect these weapons.

Many of us try to free ourselves from the responsibility of this distribution, demanding only that the measures taken or that the International Forces fulfill an almost impossible mission.

What is most lacking in the Timorese society and above all in those who govern the country is political honesty (or political integrity?).

We like to praise ourselves, as if this was the essence of pluralism, we like to play cat and mouse, as if this was the best democratic exercise.

Today we like to preach peace when yesterday we spoke of violence and today we like to talk about stability and instability when yesterday we incited social disharmony.

We only like to discover or invent the faults of possible mistakes of others while we keep on living in the ignorance of the validity of our own acts. We like to build around ourselves a subterfuge of propaganda and lies because we have lost the notion of the interests of the people and of the country and we arm ourselves to fight against everything and everyone who think differently from us.

And because we still lack the political courage to recognize that we also had our share (whether big or small) of responsibilities, we always like to appear as the biggest victims’ of all the evil engendered by others.

Political honesty integrity demands humility of thought. And we are not, or do not want, to be humble, and we purely and simply forget that in a small societies such as ours, what counts is not the perception that we make of ourselves, but the appreciation or depreciation that society can perceive about us.

Let us never forget that the people, although they are illiterate, are not as naive as we think they are, or, worst still, as we think this way in our illusion.

Ladies and Gentlemen

Honourable Members of Parliament

Many voices have clamoured for justice and we all know that there are high expectations with regard to the work that the Independent Special Commission of Inquiry of the UN has been conducting over the last two months. By the way, we all remember as well that high-level personalities of the country have also proclaimed, loud and clear, that they were the ones who asked for the establishment of this Commission because they wanted a work that was independent and transparent. And therefore I want to make it clear here that I was not the one who invited this Commission, just as I have already stated here in May that it was not my initiative to invite the International Forces to help restore law and order.

As Organs of Sovereignty we all have to assume the responsibility to help the people to understand the nature of the mandate of that Commission.

I hope that all those who were elected and who represent the higher interests of the people, will reflect about the words we use in public statements so that we will no longer instigate the spirits, as this would only render unviable the efforts that are being made to create a climate of mutual acceptance within the various communities.

I hope that we all understand that the investigation conducted by the Independent Special Commission of Inquiry is only an assessment of data regarding the events, outlined in the mandate attributed to the Commission.

It is also my hope that we can all look at the process as an initial and necessary step, one that will pave the way for the future acts that will be incumbent upon our national judicial system. Everyone surely knows that the Commission will send a copy of the report to the Secretary-General of the UN, another to the Human Rights Commission in Geneva and another to the National Parliament. I hope that, by way of courtesy, the President of the Republic can also have access to this Report.

From my part, I wish to clarify the following to the people:

I believe it is possible that it is not on the part of the distinguished parliamentarians (who, surely, do not pay attention to these things), but that it is common knowledge (even internationally, as technology such as computers, photocopiers and the Internet are ready available in Timor) that I am accused of having encouraged this whole crisis and of having caused the subsequent chaos in the country for my own benefit.

I want to solemnly state here that as the President of the Republic, I will not try to protect myself behind the statute of immunity to avoid having to answer for any of my acts.

I will, at any time of the day, be ready to present myself to the Court and to assume the responsibility for any act that could have perhaps contributed for the distribution of weapons, for the death of people, for the arson, the lootings and the violence that unfortunately continues to take place.

And I will not be the one to escape from my faults when these are proven in Court. We can all rest assure in this regard that I will not need lawyers, as I do not have money to pay them, and even less, I will not be able to bribe judges, who are even international staff and who already earn well.

I already have experience with trials and I must say that I have good memories, in terms of political maturity, of the seven years I spent in Indonesian prisons.

Ladies and Gentlemen Distinguished Parliamentarians

Some may agree and others, however, may not agree but I have heard from many people that one of the preconditions for the solution to the ‘east versus west problem in the mutual acceptance process resides in the capacity of the Government institutions to resolve the petitioners issue.

I wish to publicly praise the open spirit adopted by Brigadier General Taur Matan Ruak, Commander of the F-FDTL, in welcoming Major Tara in the facilities of the headquarters in Taci Tolu. From my humble viewpoint, this is a crucial question in this turbulent period for the minds and sensibilities in which we are unfortunately living in.

I also wish to congratulate the Prime Minister, Dr Ramos-Horta, for having agreed to meet with Mr. Gastão Salsinha and other members of his group in Gleno. The humility shown by one who governs never depreciates whoever possesses it. On the contrary, it always attracts sympathy and trust and builds, from the top, the most capable method for the solution of problems: that of listening and understanding what people think, feel and want.

It is my hope that the High-Level Commission and the Council of Ministers will always adopt a positive and balanced stance, one that is free from pre-conceptions so that they can fulfill their part in rehabilitating the social fabric, which has been fragmented by hostile sentiments that society has too easily absorbed.

Ladies and Gentlemen

Distinguished Parliamentarians

I started my intervention by reminding us all that this is the last year of our mandate.

And this means that we will have elections before 20 May 2007.

I therefore appeal the Parliament to not delay discussions on the draft electoral laws. The earlier the Parliament decides on a plan of debates with the civil society in general, with care and thoroughness, the work to be done regarding public awareness on the electoral law, because at the end they will perform the main role in that political act.

In order to avoid much speculation, I believe that I should publicly state here, particularly to the parliamentary majority, that all can be sure that even if I promulgate the electoral law tomorrow, nothing moves me or will move me to dissolve the Parliament.

Some people think that the recent demonstrations had influenced my political decisions and this is not true. I made my decisions, always striving to rigorously fulfill what you, the parliamentarians, wrote in the Constitution of the Republic, exactly five years ago.

I have no desire to became the all-powerful in this small country; that time has already passed when a simple word of mine, for practically 23 years, was considered to be the “order of the Command of the Struggle”

Ladies and Gentlemen

Distinguished Parliamentarians

What I am going to say is not new, I have said it in many occasions. ‘I would not like to see a law which kills the smaller parties’. We shall let the people decide, express through their ballots, their trust or mistrust with the parties, which had representation in this Parliament for five years, or the news ones, running for the coming elections for the first time.

I also heard about the two available options for the threshold and that they are either 5% or 2%. If, on the modality which benefits both options, we can reach an agreement or reach a consensus, it will show that we are moved to serve. If we allow ourselves to be guided by the principle that we must leave the final decision to the voters, maybe we can overcome the existing contradictions which, in my opinion, if they are not overcome, they can create a situation of intolerable political animosity, with negative consequences for the efforts which all of us must invest in order to stabilize the situation again.

On the other hand, also in this Parliament, I have raised it in the past, when I was given the opportunity, matters pertaining to the elections, appealing, above all to the conscience of the politicians (and by politicians I mean the distinguished Members of the Parliament, members of the political parties, and not the President of the Republic) that our approach, be it of administrative or technical nature, should be guided by the principle of transparency.

Let me remind us all that the next general elections will be the very first ones, whilst a sovereign State, prescribed in the constitution of the DRTL, adopted by the Constituent Assembly in 2001.

Being the first general elections, it is imperative that the rules which govern a process of free and democratic elections in the country become the fundamental parameters of our endorsement of a system of pluralistic opinions, where differences (of opinion) do not lead to making enemies but to the process of debate, towards finding the best solutions for the problems of our people.

I have noticed that the Distinguished Members of the Parliament in their debates have started to concede due importance to the needs of other state institutions, either on infrastructures, conditions or physical resources.

Such a concern, that other institutions of the State also need to meet their working conditions must also include the National Electoral Commission. Moreover, the NEC shall be able to work with due independence, bearing in mind that it must be above STAE and not the other way around.

Secondly, it must be ensured that NEC has all the necessary capacity to perform fully its duties for the benefit of the people.

It has been obvious that STAE apart from exceeding its own competence (taking on the functions which otherwise belong to NEC) acted on a vicious cycle and distanced itself from the need to act with more independence, thus making it less credible in the eyes of the society and the people in general.

If this is because it is the Government who pays (therefore STAE is controlled by the political orders of the Government) then even the Presidency of the Republic, the Courts, the Police, the Armed Forces, the Ombudsman’s Office, we all would relinquish our independence, because it is the Government who provides us with funding.

All these aspects need to be properly weighed, so that we can inspire the world and our people, with the values enshrined in our Constitution.

I further recommend that all of us, the citizens and those in power, to try to comprehensively understand the mandate of the new mission of the United Nations, UNMIT, including the role it is expected to play in the electoral process, which is on our doorstep.

Ladies and Gentlemen

Honourable Members of the Parliament

To conclude, I wish to register here a challenge for the political parties and the society in general.

We have been pointing our fingers to others, so let each one of us reflect on our own acts.

It is crucial that all the political parties, and the society, speak the language of tolerance and reconciliation. It is, mostly for this people that had suffered so much, but it is also for the interest of the political parties themselves.

Let us put behind, once and for all, the irresponsible attitude that the elections will not take place as expected because there will be no stability. Let us, instead, generate the necessary energy to act now, in concerted efforts and in cooperation, towards creating the necessary stability, so that the elections can take place. If we continue to promote the sentiments of hatred and vengeance, there will be no peace in the country. Law and order do not emerge because of strong military and police presence, law and order can only be nurtured by the attitudes and behaviour of all the citizens.

I have said it before and I continue to do so, that it is for the benefit of the political parties, and the society in general, that we ensure a climate of political tolerance, because the political parties will be the beneficiaries of this environment, because only under such an environment, when the time comes, they can implement their political campaigns in the forthcoming elections.

I appeal to other Organizations, recently created, which are still insisting in the dissolution of the Parliament and Government, to start thinking more in-depth and with wider perspective, and not to focus on a single issue of interest, and undermining the complexities of the process which we are facing.

I have stressed, last May, that until the end of my mandate, I shall not waver in ensuring that the Constitution of the Republic prevails over the interests of groups, whoever they may be.

THANK YOU!

---

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA POR OCASIÃO DA CERIMÓNIA SOLENE DE ABERTURA DA QUINTA SESSÃO LEGISLATIVA DO PARLAMENTO NACIONAL

29 de Setembro de 2006

Parlamento Nacional

Excelências

Distintos Deputados

Senhoras e Senhores

Agradeço em primeiro lugar, a Sua Excelência o Presidente do Parlamento Nacional, pela amabilidade do convite para vir, hoje e aqui, dirigir uma mensagem a todo o povo.

Devo dizer que esta cerimónia de abertura da Quinta Sessão Legislativa do Parlamento Nacional, reveste-se de um duplo sentido especial. Especial, porque é a última sessão legislativa do quadro parlamentar, que tem vindo a defender os interesses dos seus eleitores, nos últimos 4 anos. Especial também para mim, porque será a última cerimónia de abertura de sessões legislativas neste Parlamento, a que eu tive e tenho a honra de estar presente, tendo também em conta que é, este ano, o último do meu mandato.

A situação no país e, essencialmente em Díli, deve dizer-se, melhorou substancialmente, graças à intervenção generosa das Forças e Polícias Internacionais, que vieram ajudar-nos a repor pouco a pouco a tranquilidade no nosso país. Infelizmente, 5 meses depois, ainda assistimos a um espírito de recusa e repulsão nas nossas comunidades. Depois do período mais turbulento, onde o espiral da violência e destruição semeava o medo e criava o pânico, verificámos as várias fases de motivação, que tanto era política como de carácter mais social, mas recentemente a população em geral regressou a uma quase normalização das suas actividades.

Persiste, sim, um clima de insegurança nalguns bairros e persiste também o problema das pessoas deslocadas, dentro da cidade, que teimam em não regressar às suas casas, sobretudo, à noite.

O Governo já iniciou o seu programa ‘simu malu’, que contempla as mais variadas facetas de solução de um problema que vai do político ao étnico, do social ao humanitário, do económico ao legal.

Expresso o meu maior apreço à contribuição que Organizações Internacionais têm vindo a fazer, ao trabalho incansável dos padres e freiras, ao espírito missionário também de muitas Ong’s internacionais, à dedicação das Ong’s nacionais e várias outras organizações. Todos deram as mãos ao trabalho, todos tentaram apoiar nas áreas que mais necessitavam de cuidados.

Graças também à generosidade do Governo e, sobretudo, do Parlamento que dotou a Presidência da República de uma quantia de 250.000 dólares, estamos a elaborar programa de reintegração comunitária, que vai complementar os esforços do Governo e todas as outras Organizações.

Espero que, deste esforço concertado, possamos fazer regressar as populações deslocadas para os respectivos bairros, muito antes da queda das chuvas. Vamos manter contínuo contacto e coordenação com o Governo, porque só assim podemos chegar a servir mais cabalmente as nossas populações.

Eu creio que todos sabem que a Comissão Europeia também está desejosa de dar o apoio a este processo de diálogo. Vamos também coordenar com esta iniciativa, para podermos perspectivar encontros de nível médio, entre políticos, intelectuais, igreja, sociedade civil e inclusive a juventude universitária nos seus últimos anos de escolaridade.

Posterior a isso, no nível mais elevado, as instituições do Estado, a hierarquia da Igreja, a liderança dos partidos, poderão também ter a oportunidade de debater sobre os nossos problemas, com o apoio do Clube de Madrid.

Vamos todos participar nesta Reflexão Nacional sobre as causas, as circunstâncias e as lições a serem tiradas desses últimos acontecimentos que assolaram o país e fizeram sofrer o Povo.

Senhoras e Senhores

Distintos Deputados

Vou aqui abordar sumariamente a questão de armas e desarmamento.

Logo no início, a Presidência da República fez sair uma decisão relativa necessidade de controlar imediatamente as armas, criando-se assim uma Comissão de Inspecção do Armamento das F-FDTL e da PNTL.

Todos devemos louvar a prontidão e a ligeireza com que a nossa Instituição militar apresentou às entidades competentes, os documentos relativos à aquisição de armas e à existência, em registo e real, do armamento nos quartéis.

O resultado dessa prontidão é que a Comissão da Inspecção foi capaz de, em pouco tempo, cumprir a sua missão.

Um facto que saltou à vista, nesse relatório, é a existência a mais de 119 armas e que não estavam registadas devidamente, para além da constatação da falta de umas poucas, que estavam na posse dos militares que abandonaram os seus postos, após o 28 de Abril.

A explicação sobre a não existência de um registo adequado daquelas 119 armas, foi de que essas 119 armas foram, posteriormente, sendo entregues pelos exguerrilheiros que as detinham, em seu poder, desde Aileu.

Eu sugeriria que a Comissão de Defesa e Segurança, do Parlamento Nacional, fizesse um inquérito sobre esta matéria, ajudando assim as F-FDTL a reconstituir o processo de entrega, com datas e identificação de pessoas ou de grupos que, (sendo ex-guerrilheiros) foram, com o andar dos tempos, entregando as armas da guerrilha, a fim de sabermos quem já entregou e quem ainda não.

Porque ninguém de nós foi sendo informado, a pergunta é: quem nos garante que as armas dos ex-guerrilheiros, não entregues em Aileu, sejam apenas aquelas que hoje já se encontram sob controle? Quem nos garante que não estejam ainda boas centenas de armas, escondidas algures, por ex-guerrilheiros, que não entraram nas FDTL em Aileu?

Este é um problema dos Órgãos de Soberania do Estado e não das Forças Internacionais nem dos 1.600 polícias da ONU!

Quanto à PNTL, o processo foi muito mais moroso e só recentemente a Comissão de Inspecção foi capaz de terminar o trabalho, chegando à conclusão de que ainda faltam 231 armas, na maioria pistolas.

Uma das causas da morosidade do processo, deve-se ao facto de que a PNTL, ao contrário das F-FDTL, está espalhada em todos os 13 distritos do país. Contudo, pode-se dizer que as armas que ainda faltam têm, individualmente, indicação de quem foi o último agente da polícia a receber, legalmente, a arma. Hoje, resta proceder-se a uma investigação mais apurada e profunda sobre porque esse agente ainda não entregou a arma, onde ela está ou a quem esse agente passou a arma, quando e porquê, para se poder proceder à recolha.

Outro assunto, distintos deputados, que eu gostaria de apresentar aqui, no Parlamento Nacional, é a questão de possível entrada ilegal de armas. É crucial que também a Comissão de Defesa e Segurança do Parlamento Nacional possa actuar no sentido de verificar a veracidade ou não desta matéria, a fim de pôr-se tudo claro e evitar-se especulações de toda a ordem, e assegurar-se um clima de confiança no seio da população.

Esse sentimento de insegurança provém também do facto de civis continuarem armados.

Muito se fala de desarmamento e todos, hoje e como que libertos de qualquer coisa, nos mostramos constrangidos por essa realidade. Só Deus sabe o que escondemos nos nossos pensamentos.

Ao invés de questionarmos a chamada inaptidão das Forças Internacionais na recolha das armas, deveríamos ser mais justos nas nossas interpretações e obrigarmos ou, no mínimo, apelarmos a todos quantos distribuíram ou estiveram presentes no acto da distribuição, para procederem à recolha dessas armas.

Muitos de nós tentamos ilibar-nos da responsabilidade dessa distribuição, exigindo apenas que as medidas tomadas ou que as actuações das Forças Internacionais cumpram uma missão quase impossível.

O que mais falta na sociedade timorense e, sobretudo, nos governantes, é a honestidade política.

Gostamos de nos digladiar, como se isso fosse a essência do pluralismo, gostamos de brincar a gatos e ratos, como se isso fosse o melhor exercício da democracia.

Gostamos, hoje, de pregar a paz, quando ontem falávamos de violência, gostamos, hoje, de falar de estabilidade e instabilidade, quando ontem incitámos desarmonia social.

Gostamos só de descobrir ou inventar as falhas ou possíveis erros de outros, enquanto vamos vivendo na ignorância da validade ou não dos nossos próprios actos.

Gostamos de construir, ao redor de nós, um reduto de propagandas e de mentiras, porque perdemos a noção dos interesses do povo e do país e armamo-nos para pelejar contra tudo e todos que pensem o contrário de nós.

E porque nos falta a coragem política para reconhecermos que também tivemos a nossa quota (maior ou menor) de responsabilidades, nós gostamos de aparecer sempre como as ‘maiores vítimas’ de todo o mal engendrado por outros.

A honestidade política exige humildade de pensamento. E não somos, ou não queremos ser, humildes, esquecendo pura e simplesmente que, em pequenas sociedades como a nossa, o que vale não é a percepção que fazemos de nós próprios, mas o apreço ou o desapreço que a sociedade pode ter de nós.

Não esqueçamos nunca que o povo, apesar de iletrado, não é tão ingénuo como pensamos ou, pior ainda, como nos iludimos a pensar assim.

Senhoras e Senhores

Distintos Deputados

Muitas vozes vêm clamando pela justiça e todos sabemos que existem grandes expectativas quanto ao trabalho que a Comissão de Investigação da ONU esteve, durante 2 meses, a fazer. A propósito, todos também nos lembramos que altas personalidades do país já proclamaram, alto e bom som, que foram eles que pediram a constituição dessa Comissão, porque se queria um trabalho independente e transparente. E, portanto, fique aqui claro que não fui eu que convidei, assim como já declarei aqui em Maio, não foi minha iniciativa convidar as Forças Internacionais para ajudar a restabelecer a lei e a ordem.

Como Órgãos de Soberania, todos temos que assumir a responsabilidade de ajudar o povo a compreender o carácter do mandato daquela Comissão.

Espero que todos quantos fomos eleitos e representamos os superiores interesses do povo, ponderemos as nossas palavras, em declarações públicas, no sentido de não atiçarmos mais os ânimos, porque isto só poderá vir a inviabilizar todos os esforços, que se estão a fazer, no intuito de se criar um clima de mútua aceitação dentro das comunidades.

Eu espero que todos saibamos entender que a investigação feita pela Comissão Internacional é, apenas, um levantamento de dados sobre os acontecimentos, para os quais a Comissão estava mandatada a averiguar.

Espero também que todos possamos olhar para o processo como o passo inicial e necessário, abrindo caminho para as futuras actuações que caberão ao sistema judiciário nacional. Todos sabem, com certeza, que a Comissão enviará uma cópia ao Secretário-Geral da ONU, uma à Comissão dos Direitos Humanos em Genebra, e outra, aqui para o Parlamento Nacional. Eu espero que o Presidente da República possa, por cortesia, ter também acesso a esse Relatório.

Da minha parte, quero, desde já, esclarecer o seguinte a todo o povo:

Eu penso que é possível que não seja por parte dos distintos deputados (que, de certeza, não prestam atenção a estas coisas), mas é do conhecimento geral (e até internacional, pela tecnologia já avançada em Timor, como computadores, fotocopiadoras e Internet), de que eu sou acusado de ter promovido toda esta crise e o consequente caos no país, em meu benefício próprio.

Pois, eu quero afirmar aqui solenemente, que não e em nenhuma circunstância, tentarei escudar-me com o estatuto de imunidade, enquanto Presidente da República, para me esquivar de responder perante qualquer dos meus actos. Estarei, a qualquer hora do dia, pronto para me apresentar ao Tribunal e assumir a responsabilidade de qualquer acto, que tenha porventura contribuído na distribuição das armas, na morte das pessoas, no incêndio às casas, no saque aos bens e na violência que infelizmente continua a verificar-se.

E não serei eu a fugir das minhas culpas, quando elas forem provadas em Tribunal. Todos podem ficar descansados nesse sentido, já que não necessitarei de advogados, porque não tenho dinheiro para os pagar, e muito menos, poderei subornar os juizes, que até são internacionais e já ganham bem.

Já possuo a experiência quanto a julgamentos e, devo dizer, guardo boas recordações, em termos de maturação política, do período de 7 anos de prisão na Indonésia.

Senhoras e Senhores

Distintos Deputados

Podem alguns concordar e outros não, contudo, tenho ouvido de muita gente que uma das pré-condições para a solução do problema ‘lorosa’e-loromonu’ , no processo ‘simu malu’, reside na capacidade das instituições do Governo de resolver a questão dos peticionários.

Quero aqui, publicamente, louvar o espírito de abertura, adoptada pelo Brigadeiro-General Taur Matan Ruak, Comandante das F-FDTL, ao receber o Major Tara nas instalações do Quartel-General, em Tasi Tolu. Do meu humilde ponto de vista, é uma questão crucial, neste período turbulento das mentes e sensibilidades, em que infelizmente vivemos.

Congratulo também o Primeiro-Ministro, Dr. Ramos-Horta, por ter acedido encontrar-se com o Senhor Gastão Salsinha e outros membros do grupo, em Gleno.

A humildade, demonstrada por um governante, nunca desprestigia quem a possui, antes pelo contrário, sempre lhe granjeia simpatia e confiança e constrói, do topo, o método mais capaz de solução dos problemas: o de ouvir e perceber o que as pessoas pensam, sentem e querem.

Espero que a Comissão dos Notáveis e o Conselho de Ministros adoptem sempre uma postura positiva e equilibrada, livre de pré-conceitos, para poderem cumprir a sua parte, na reabilitação do tecido social, fragmentado por sentimentos hostis que a sociedade absorveu com demasiada facilidade.

Senhoras e Senhores

Distintos Deputados

Comecei a minha intervenção, lembrando a todos nós que este é o último ano do nosso mandato.

E isto significa que iremos ter eleições, antes de 20 de Maio de 2007. Apelo, assim, ao Parlamento para que não adie a discussão do Projecto da Lei Eleitoral. Quanto mais cedo o Parlamento decidir sobre um plano de debates com a sociedade civil em geral, quanto melhor para que se faça, com cuidado e profundamente, o trabalho de se dar a conhecer à população da Lei que regulará as eleições, porque será o povo quem vai ser o actor principal neste acto político.

Para que não se façam muitas lucubrações, eu penso que eu devo aqui declarar publicamente e sobretudo à maioria parlamentar, que todos podem estar certos de que, mesmo que eu promulgue a Lei eleitoral amanhã, nada me move nem me moverá para dissolver o Parlamento.

Algumas pessoas pensam que as recentes manifestações influenciaram as minhas decisões políticas e isto não é verdade. Tomei as minhas decisões, tentando sempre cumprir escrupulosamente o que os Senhores Deputados escreveram na Constituição da República, precisamente 5 anos atrás.

Não me move o desejo de ser o todo-poderoso neste pequeno país; já passou o tempo e foram praticamente durante 23 anos, que uma simples minha palavra era considerada ‘ordem do Comando da Luta’.

Senhoras e Senhores

Distintos Deputados

Não é novo o que vou dizer, porque disse já em várias ocasiões: ‘Não gostaria que uma lei viesse a matar os partidos da minoria’. Deixemos ao povo, ao eleitorado, exprimir, através dos seu votos, a sua confiança ou seu desagrado para com os partidos, que tiveram assento neste Parlamento durante 5 anos, ou para aqueles outros que porventura se apresentem, pela primeira vez, às eleições.

Eu também ouço acerca de 2 opções quanto ao ‘threshold’ e que são de 5% e 2%. Se pudéssemos chegar a um acordo ou a uma saída consensual quanto modalidade que beneficiasse ambas as opções, isso significaria que estamos orientados a servir. Se nos permitirmos ser guiados pelo princípio de que devemos deixar aos eleitores a decisão final, talvez possamos ultrapassar as divergências que existem e que, na minha opinião, em persistindo, poderão vir a criar uma situação intolerável de animosidade política, de consequências negativas para os esforços que todos devemos fazer para estabilizar de novo a situação.

Por outro lado, também neste Parlamento Nacional, levantei já, sempre que se me apresentava oportunidade para tal, questões relativas a eleições, apelando às consciências, sobretudo dos políticos (e os políticos são os próprios distintos deputados, os políticos são os membros dos Partidos, e não o Presidente da República), para que a transparência dos actos, sejam de carácter técnico sejam de natureza administrativa, fosse o fio de prumo das nossas decisões e actuações. Quero lembrar a todos que as próximas eleições gerais serão as primeiras, como um Estado soberano, prescrito na Constituição da RDTL, aprovada pela Assembleia Constituinte em 2001.

Por serem as primeiras, é extremamente importante que os padrões que regulam um processo de eleições livres e democráticas, no país, venham a ser os parâmetros fundamentais do nosso compromisso a um sistema pluralista de opiniões, onde as diferenças não fazem inimigos mas apontam o caminho do debate, para a busca das melhores soluções aos problemas do povo.

Reparei que, nos debates aqui no Parlamento, os distintos deputados começam a ver a importância de equipar devidamente as outras instituições do Estado, tanto no que respeita a infra-estruturas como quanto a facilidades ou recursos materiais. Esta preocupação, a de que, para além do Governo, outras instituições do Estado devem ser providas de condições de trabalho, deve ser também dirigida Comissão Nacional Eleitoral.

Em primeiro lugar, a CNE deve poder actuar com a independência que se requer, afirmando-se o princípio de que actua superiormente em relação ao STAE e não o contrário.

Em segundo lugar, à CNE deve-se garantir a total capacidade de actuação, para que cumpra cabalmente as suas obrigações, que são devidas a todo o povo. Tem-se notado que o STAE, para além de se exceder nas suas próprias competências, como um Secretariado Técnico Administrativo, assumindo indevidamente competências atribuídas à CNE, estava viciado nos actos que comete, esquivando-se do princípio de maior independência, o que torna o processo das suas actuações menos credível aos olhos da sociedade e do povo em geral.

Se é porque é o Governo é que paga, o STAE tem que estar subordinado totalmente às directivas políticas do Governo, a própria Presidência da República, os Tribunais, a Polícia, as Forças, a Provedoria, todos perderíamos a nossa independência, porque todos somos pagos pelo Governo.

Todos estes aspectos devem ser bem considerados, para que possamos inspirar, ao mundo e ao nosso povo, os valores que estão redigidos na nossa Constituição. Recomendo ainda a todos, aos cidadãos e aos detentores do poder, para entendermos com clareza o mandato da nova missão da ONU, a UNMIT, incluindo a sua participação no processo eleitoral, que está às portas.

Senhoras e Senhores

Distintos Deputados

Para terminar, quero lançar aqui um repto aos partidos políticos e à sociedade em geral.

Evitemos apontar apenas os dedos a outros e façamos, cada um, o exame dos nossos próprios comportamentos.

É crucial que todos os partidos, e a sociedade, falem a linguagem de tolerância e da reconciliação. É, sobretudo com respeito a este povo que já sofreu demais, contudo é para o interesse dos próprios partidos.

Deixemos, de uma vez para sempre, a atitude conformista e irresponsável de afirmar que não se realizarão as eleições no tempo previsto, porque não haverá estabilidade. Passemos a adquirir as energias necessárias para passarmos à acção, concertando esforços e cooperando no sentido de criarmos essa necessária estabilidade, para que as eleições possam ter lugar.

Se continuamos a instigar os sentimentos para ódios e vinganças, não haverá paz no país. A lei e a ordem não se estabelecem com grandes contingentes militares e policiais, a lei e a ordem só pode transparecer das atitudes e comportamentos de todos os cidadãos.

Eu disse e continuo a afirmar, que é do interesse dos próprios partidos, e da sociedade em geral, que se assegure um clima político de tolerância, porque serão os partidos que se beneficiarão desse ambiente, porque só nesse ambiente, eles poderão desenvolver, quando forem chamados, as suas campanhas para as próximas eleições.

Faço um apelo a outras Organizações, que surgiram recentemente, e que ainda estão renitentes quanto à dissolução do Parlamento e do Governo, para pensarem com maior profundidade e largueza de visão, e não se limitarem a ver um aspecto, que mais interessa, sobrepondo-o a todo este processo complexo que enfrentamos.

Já afirmei, em Maio passado, que até ao fim do meu mandato, não vacilarei a fazer prevalecer a Constituição da República sobre interesses de grupos, sejam eles quais forem.

Tenho dito.


Back to October menu 
September
World Leaders Contact List
Main Postings Menu